Aryane Braga Costruba
Gerente da Divisão de Consultoria

Com a chegada da Lei nº 13.709/2018, sobre Proteção de Dados Pessoais – LGPDP, que entrará em vigor em agosto de 2020, é bem possível que as empresas estejam um pouco perdidas. Afinal, por onde começar? Pensando neste tipo de situação, criamos um cronograma simples para apoiar nossos clientes em meio à transição.

Vale notar que nossa sugestão de cronograma é absolutamente flexível e genérica, devendo ser moldada conforme o objeto, serviço e porte da empresa em questão. Nossa sugestão é que o programa seja dividido em 5 passos:

Passo 1: Diagnóstico 

Antes de começar a criar um programa de compliance com a LGPDP é preciso conversar com as equipes da empresa, especialmente os responsáveis da área de informática, para compreender como funcionam: o site da empresa, mailing, softwares, sistema de criptografia e os contratos de trabalho, com parceiros, clientes e fornecedores. Uma vez levantadas todas estas informações, pode-se seguir para a próxima etapa.

Passo 2: Criação da Cartilha

Com todas as informações acima em mãos, é necessário elaborar uma Cartilha da empresa, informando como os dados dos clientes e colaboradores serão tratados, armazenados e disponibilizados. Em paralelo ao trabalho jurídico, é importante que a empresa inicie um trabalho em seu website, para adaptá-lo de acordo com as instruções definidas pela cartilha.

Passo 3: Apoio na estratégia de Higienização do Mailing

Uma vez criada a cartilha com a nova política da empresa, é fundamental focar toda a energia no mailing. Como sua empresa cuida dos contatos? Onde ficam armazenados? Todos os colaboradores possuem acesso? Pois é. Criar uma minuta de e-mail padrão a ser enviado a todo o mailing, informando a nova política LGPDP da empresa e solicitando o aceite para o uso dos dados daquele cliente será uma das etapas mais importantes deste cronograma.

Passo 4: Treinamento da equipe

Todas as empresas estão se esforçando para definir como implementar sua nova política de proteção de dados, só não pode esquecer de envolver a equipe neste processo. Parte do programa de compliance é justamente treinar, tirar dúvidas e conscientizar os colaboradores sobre as mudanças.

Passo 5: Contratos externos e internos

Após o treinamento e conscientização dos colaboradores, é válido aditar contratos de trabalho e termo de confidencialidade, incluindo disposições específicas da nova lei. Também sugerimos a inserção de uma cláusula padrão/genérica em contratos com parceiros, clientes e fornecedores, a fim de enfatizar a nova conduta da empresa.

Por fim, uma dica importante é sempre manter todas as atividades acima bem registradas e formalizadas, justamente para assegurar que em caso de processos no futuro, a defesa esteja garantida.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>