Priscilla Gonçalves Moreira Turra
Sênior da Divisão de Consultoria Societária 

A Receita Federal publicou a Instrução Normativa nº 1.634 modificando e consolidando as regras aplicáveis ao CNPJ (Cadastro Nacional das Pessoas Jurídicas), obrigatório tanto para as entidades domiciliadas no Brasil quanto para as que aqui invistam. 

O grande destaque é a obrigatoriedade imposta às empresas para que informem em seus cadastros no CNPJ o “beneficiário final” dos ajustes societários. Desse modo, as empresas deverão informar toda a estrutura societária, viabilizando o acesso às informações acerca da pessoa física que, direta ou indiretamente, seja a real beneficiária da organização societária. 

Nos termos da instrução, considera-se beneficiário final da estrutura societária aquele que, direta ou indiretamente: 

  • possui mais de 25% do capital da entidade; ou 
  • detém ou exerce a preponderância nas deliberações sociais e o poder de eleger a maioria dos administradores da entidade, ainda que sem controlá-la. 

A instrução decorre de diversos estudos realizados pelos órgãos federais no intuito de combater a corrupção e a lavagem de dinheiro. Segundo a Receita, o objetivo é garantir a transparência das estruturas societárias, em especial às operações realizadas com sociedades estrangeiras. 

A norma entrará em vigor a partir de 1º de junho de 2016. Já a necessidade de informação do beneficiário final só começará a valer a partir de 1º de janeiro de 2017, data a partir da qual: 

  • as empresas que venham a ser constituídas deverão prestar as informações no momento de sua inscrição; e 
  • as empresas já existentes serão obrigadas a informar o beneficiário final quando procederem a alguma alteração cadastral dali em diante. Se nenhuma alteração ocorrer, o beneficiário final deverá ser obrigatoriamente informado até a data limite de 31 de dezembro de 2018, mediante atualização do quadro de sócios no sistema da Receita. 

De acordo com a instrução, o descumprimento das obrigações estabelecidas acarretará suspensão do CNPJ, o que impedirá, inclusive, a realização de negócios com estabelecimentos bancários, como a movimentação de contas e a obtenção de crédito, em decorrência da situação irregular da empresa, fato esse que pode ser questionado judicialmente. 

Assim, até que se operem os efeitos práticos da instrução, recomenda-se às empresas que possuam sócios estrangeiros a obtenção de todas as informações necessárias, evitando que eventuais irregularidades gerem impactos significativos em todos os negócios realizados devido à suspensão de seus cadastros.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>