Thiago Mendes Gonçalves Garbelotti

Migalhas nº 3.708 – 24/9/2015

Ainda é considerado baixo o número de contribuintes que se beneficiam da suspensão do ICMS incidente sobre importações, fato que, sob a ótica empresarial, resulta em desvantagem em relação aos concorrentes que já possuem o regime.

Muito embora não possamos qualificar o tema como novo, o benefício trazido pela Portaria CAT 108/13 não tem atraído a atenção dos contribuintes mesmo diante de um cenário econômico agudo e após quase dois anos de sua publicação.

De acordo com os dados da própria SEFAZ/SP, ainda é considerado baixo o número de contribuintes que se beneficiam da suspensão do ICMS incidente sobre suas importações, fato que, sob a ótica empresarial, resulta numa clara desvantagem competitiva em relação aos concorrentes que já possuem o regime especial.

De fato, a pouca procura pelo benefício não se justifica sob nenhuma ótica:

• Do ponto de vista financeiro, o custo com a elaboração do regime é ínfimo se comparado com o ganho proporcionado pela suspensão do ICMS-importação;

• No que tange aos requisitos, basta que o contribuinte realize a venda interestadual de mercadoria importada ou, no caso de bem industrializado, que o mesmo apresente conteúdo importado superior a 40%, situação comum a quase todas as empresas e setores;

• Quanto à documentação, não há a necessidade de elaboração de complicados arquivos eletrônicos ou layouts específicos, bastando que a empresa tenha em ordem seus livros registros de entrada, de saída e de apuração.

A elaboração do regime requer, basicamente, a comprovação de que o saldo credor tem como origem a aplicação da alíquota de 4% sobre as operações interestaduais envolvendo mercadorias importadas, o que deverá ser suportado pela apresentação de cálculos expondo que o percentual de suspensão do ICMS pleiteado é adequado para inibição desses saldos credores.

Obviamente há outros caminhos (inviáveis, é necessário admitir) para a diminuição do crédito acumulado, a exemplo do ressarcimento ou autorização para a transferência dos créditos para terceiros, mas nenhum tão rápido e de baixo custo quanto o regime especial previsto pela Portaria 108.

Além disso, verificamos que, além da alta receptividade do regime por parte do Fisco1, o tempo médio para aprovação gira em torno de seis meses e o percentual de suspensão concedido tem passado da casa dos 40% do imposto, o que reduz significativamente o custo das mercadorias importadas e, por conseguinte, proporciona maior flexibilidade de manobra nas margens de lucro.

Não bastassem os bons motivos para obtenção do benefício, a agora oficial recessão de nossa economia acaba por tornar quase que mandatório o ingresso do pleito em questão e seu correlato alívio no fluxo de caixa.

1 Levando em consideração apenas os casos protocolados pela B&M, podemos afirmar que sua aprovação é de aproximadamente 90%.

Thiago Mendes Gonçalves Garbelotti é advogado do escritório Braga & Moreno Consultores e Advogados


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>