Caroline Martinez de Moura

Semi-Sênior da Divisão do Contencioso 

Paralelamente ao que ocorre com o ICMS e o ISS, está em curso no Brasil uma guerra fiscal envolvendo o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

Essa batalha gira em torno da disputa pela arrecadação do IPVA, devido à autonomia dos Estados para fixar as alíquotas do tributo.

A diferença entre as alíquotas leva os contribuintes a registrar seus veículos em unidades federativas que cobram menos imposto¹, gerando grande celeuma acerca da competência pela arrecadação.

Isso ocorre devido à ausência de norma regulamentadora a respeito do ente competente pela arrecadação do IPVA. Embora a Constituição Federal estabeleça que a competência para a instituição do IPVA é dos Estados, cujo fato gerador é a propriedade de veículo automotor, permanece a lacuna de qual é o Estado competente pela arrecadação, o que, de acordo com a própria CF/88, deveria ser resolvido por meio de lei complementar, e não através de lei ordinária.

Origina-se daí, portanto, a controvérsia acerca do local a ser pago o IPVA: se em favor do Estado no qual se encontra sediado ou domiciliado o contribuinte ou no local em que foi a registrado e licenciado o veículo.

Embora o Código de Trânsito Brasileiro estabeleça que o registro do veículo deva ser realizado no órgão de trânsito que jurisdicionar o domicílio do proprietário, tal norma não poderia dispor sobre a matéria com efeitos tributários, visto tratar-se de lei ordinária.

Nota-se um nítido conflito de competências envolvendo normas relativas ao IPVA. Assim, é indispensável edição de norma complementar a fim de regulamentar o texto constitucional.

O tema é tão relevante que o Plenário do STF reconheceu a repercussão geral da matéria, discutida na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIn) contra a lei paulista que vem bitributando as empresas com grandes frotas e as locadoras de veículos sediadas em São Paulo, obrigando-as a aqui recolher o IPVA, independentemente de seus veículos terem sido adquiridos, registrados ou licenciado sem outro Estado.

O descumprimento à lei paulista acarretará em autuações, impossibilitando a emissão de Certidão Negativa de Débito, e, consequentemente, impedindo a participação dessas empresas em licitações.

Assim, enquanto o STF não julgar a matéria ou o Congresso Nacional não editar lei complementar nesse sentido, o contribuinte continuará vítima da guerra fiscal, com as inseguranças e incertezas de onde recolher, de fato, o IPVA, sendo constantemente retalhado pelo fisco.


1  As alíquotas cobradas pelos Estados da Federação variam de 2% até 4% sobre o valor do veículo.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>