Marcelo Gayer Diniz

Sênior da Divisão de Consultoria Cível 

Diversamente do que ocorre em outros países, o Brasil não possui uma lei que proíba a subcapitalização[i]. Em outras palavras, significa dizer que a legislação societária brasileira não prevê um capital social mínimo a ser subscrito e integralizado pelos sócios, sejam brasileiros ou estrangeiros. 

Em decorrência disso, ao investirem no Brasil, muitas empresas estrangeiras optaram por estrutura segundo a qual parte dos recursos é aplicada como capital, e parte como dívida. Em outras palavras, os investidores estrangeiros destinam uma fração dos recursos ao capital social da controlada/coligada brasileira, e outra como empréstimo. 

A razão é simples. O empréstimo tem lá suas vantagens quando comparado ao capital social. Em termos de remuneração, o investimento feito na forma de cotas ou ações somente renderá frutos, por assim dizer, se a controlada/coligada brasileira tiver lucros. Por outro lado, em se tratando de empréstimo, os juros podem ser pagos independentemente da existência de lucro ou de prejuízo. Há também a questão da devolução dos recursos ao exterior, que é muito mais fácil quando feita por meio de empréstimo, do que no caso de cotas/ações, estas últimas ligadas a burocracias. 

Apesar das vantagens acima, a dívida para com o exterior requer alguns cuidados. Isso porque, no caso de reorganizações societárias (incorporação de uma empresa por outra, na qual a incorporada seja devedora de empréstimo para com o exterior), haverá a substituição do devedor, o que implicará a incidência do IOF sobre o câmbio simbólico daí decorrente[ii]. 

Por conta disso, toda e qualquer reestruturação no Brasil que envolva empresas com dívidas para com o exterior merece especial atenção, de modo a minimizar ou até mesmo eliminar eventuais impactos relativos ao IOF.


[i] O que existe, no Brasil, é uma norma de cunho tributário que impôs limites à dedução dos juros pagos pela controlada/coligada brasileira à sua controladora estrangeira (Lei nº 12.249/10).

[ii] Embora a incorporadora suceda a incorporada em todos os direitos e obrigações, nos termos da lei tributária e da societária


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>